Os indicados ao Oscar 2013

10 jan

Anúncio dos indicados ao Oscar 2013

Na manhã dessa quinta-feira, Emma Stone e Seth MacFarlane anunciaram os indicados ao Oscar 2013. Algumas indicações surpresas, outras já esperadas.

O campeão em indicações, com 12, foi Lincoln, de Steven Spielberg. As Aventuras de Pi, de Ang Lee recebeu 11. O Lado bom da vida, de David O. Russel, uma das surpresas da lista (não pela indicação, mas pela quantidade delas), recebeu 8 indicações. Já Argo, de Ben Affleck e Os Miseráveis, de Tom Hooper receberam 7 cada um, fechando o time dos 5 mais indicados.

Esse ano, a cerimônia de entrega do Oscar acontecerá no dia 24 de Fevereiro e será apresentada por Seth MacFarlane que, esperamos, apresentará a festa inteira com a voz de Stewie Griffin.

Abaixo, todos os indicados ao Oscar 2013.

Com 12 indicações, Lincoln disponta como um dos favoritos.

Com 12 indicações, Lincoln desponta como um dos favoritos.

Melhor Filme

Amor, de Michael Haneke

Argo, de Ben Affleck

As Aventuras de Pi, de Ang Lee

Django Livre, de Quentin Tarantino

Indomável Sonhadora, de Benh Zeitlin

A Hora mais escura, de Kathryn Bigelow

O Lado bom da vida, de David O. Russel

Lincoln, de Steven Spielberg

Os Miseráveis, de Tom Hooper

Em um ano onde todas as previsões indicavam a ausência de um grande favorito, as 12 indicações para Lincoln e a falta de algumas muito esperadas para outros filmes como as apenas cinco indicações de A Hora mais escura, parecem ter estreitado um pouco a concorrência. Mas só um pouco, já que os nove indicados desse ano (em um máximo de 10 possíveis) parecem indicar um amor um pouco mais disperso.

Além disso, se considerarmos que cinco indicações de Lincoln são em categorias técnicas (o que é esperado para um filme de época do tamanho desse), a inflação nos números de indicações pode não indicar exatamente um favoritismo dos maiores. Então, será que Argo e A Hora mais escura (até dezembro, dois dos principais nomes) ainda estão na corrida? É bom lembrar que, desde 1990, um filme não ganha o prêmio principal sem ter tido o diretor indicado (Conduzindo Miss Daisy)

Muito bom ver a presença do indie Indomável sonhadora e do franco-austríaco Amor por aqui. O primeiro recebeu quatro e o segundo cinco indicações no total. Após ganhar a Palma de Ouro em Cannes em 2012, Amor pode ser apenas o terceiro filme na história a receber os dois maiores prêmios do mundo em um mesmo ano. Mas a História não é muito favorável ao filme franco-austríaco: os dois filmes que conseguiram o feito eram norte-americanos (Farrapo humano, de Billy Wilder, em 1945 e Marty, de Delbert Mann, em 1955). E, ano passado, o americano A Árvore da Vida também não conseguiu reproduzir o feito.

Fun fact: A comédia dramática O Lado bom da vida é o único filme esse ano que pode levar os cinco prêmios principais (filme, diretor, ator, atriz, roteiro).

Esnobadas:

The Master, de Paul Thomas Anderson – Um filme que estreou com muita pompa mas que perdeu fôlego até a temporada de prêmios nos EUA. Será que o tema (o filme é sobre uma seita muito parecida com a Cientologia) afugentou os membros da Academia?

Moonrise Kingdom, de Wes Anderson e 007 – Operação Skyfall, de Sam Mendes. A incrível bilheteria do segundo (e a boa recepção da crítica), começou a trazer o filme para conversas sobre indicações para Melhor Filme. Um pouco demais, né?

Holy Motors, de Leos Carax. Se um filme austríaco “passou o rodo”, porque não imaginar que esse filme francês (um dos melhores de 2012 em qualquer lugar do mundo) não poderia também?

Michael Haneke dirigindo Emmanuelle Riva e Jean-Louis Trintignant em Amor

Michael Haneke dirigindo Emmanuelle Riva e Jean-Louis Trintignant em Amor

Melhor Diretor

Ang Lee, por As Aventuras de Pi

Benh Zeitlin, por Indomável sonhadora

David O. Russel, por O Lado bom da vida

Michael Haneke, por Amor

Steven Spielberg, por Lincoln

Geralmente as indicações para diretor mostram quais filmes realmente estão no páreo para o maior prêmio da noite. Sendo assim, as ausências de Ben Affleck, por Argo e Kathryn Bigelow, por A Hora mais escura, duas indicações dadas como mais do que certas, começam a desiquilibrar a balança. O mais beneficiado é Steven Spielberg, que tem aqui sua sétima indicação e que corre atrás de seu terceiro Oscar de direção (os outros dois foram para A Lista de Schindler e O Resgate do soldado Ryan).

As surpresas aqui são as indicações de Benh Zeitlin e David O. Russel, já que a presença de Haneke já vinha sendo cotada há algum tempo. Zeitlin concorre ao Oscar de Direção pelo seu primeiro longa-metragem e Russel consegue a segunda indicação da carreira e por filmes consecutivos (a primeira foi pelo seu filme anterior, O Vencedor, de 2010).

Com dois azarões, Michael Haneke curiosamente surge como um oponente forte a Spielberg e as cinco indicações para seu filme parecem dar algum peso às chances do diretor austríaco. Já Ang Lee, com as onze indicações de Pi, tem seu nome alçado ao posto de principal oponente de Spielberg ao prêmio.

Esnobadas:

Ben Affleck, por Argo / Kathryn Bigelow, por A Hora mais escura / Quentin Tarantino, por Django Livre / Paul Thomas Anderson, por The Master.

Isso quer dizer que o trailer de "Se beber, não case 3" terá "Academy Award Nominee Bradley Cooper"?

Isso quer dizer que o trailer de Se beber, não case 3 terá “Academy Award Nominee, Bradley Cooper”?

Melhor Ator

Bradley Cooper, por O Lado bom da vida

Daniel Day-Lewis, por Lincoln

Denzel Washington, por Flight

Hugh Jackman, por Os Miseráveis

Joaquin Phoenix, por The Master

Quinta indicação para Daniel Day-Lewis, que tem grandes chances (é o favorito disparado) de levar seu terceiro Oscar para casa. As indicações de Denzel Washington (em busca de seu segundo Oscar como Ator principal) e de Bradley Cooper (novato na categoria) já eram esperadas. A indicação de Cooper é aquele clássico caso de estrela em ascenção que faz papel dramático em um filme bem recebido e que já leva uma indicação para dar um up no currículo ou o seu trabalho é realmente interessante? Só o tempo irá dizer.

Hugh Jackman recebe sua primeira indicação ao Oscar e seu trabalho em Os Miseráveis é o encontro de seus dois talentos: atuação e canto. Pode parecer estranho para algumas pessoas, mas o intérprete de Wolverine já ganhou o Tony (espécie de Oscar do teatro americano) por sua atuação no musical The Boy from Oz, em 2004.

E, finalmente, Joaquin Phoenix, apesar de sua postura anti-prêmios, recebe sua segunda indicação como ator principal. É, realmente, um afago da Academia que parece não gostar de figuras que abertamente deixam de fazer campanhas para levar o prêmio.

Esnobadas:

John Hawkes, por The Sessions – Talvez uma das grandes esnobadas da lista já que o trabalho do ator vinha sendo considerado uma das indicações mais óbvias.

Dennis Lavant, por Holy Motors – Havia poucas chances, mas o trabalho do ator no filme francês praticamente redefine o significado da expressão tour de force.

Liam Neeson, por A Perseguição – O seu trabalho nesse filme, muito mal interpretado quando lançado, é um dos melhores do ator em anos.

Jake Gyllenhaal e/ou Michael Peña, por Marcados para morrer – O trabalho dos dois é fantástico nesse pequeno filme. Na dupla, nenhum dos dois é coadjuvante, por isso os colocaria nessa categoria.

Quvenzhané Wallis

Quvenzhané Wallis é Hushpuppy em Indomável sonhadora

Melhor Atriz

Emmanuelle Riva, por Amor

Jennifer Lawrence, por O Lado bom da vida

Jessica Chastain, por A Hora mais escura

Naomi Watts, por O Impossível

Quvenzhané Wallis, por Indomável sonhadora

Uma coisa curiosa acontece nessa categoria: a atriz que pode vir a ser a mais nova a ganhar o prêmio na história do Oscar, Quvenzhané Wallis (9 anos), concorre com a atriz que pode ser a mais velha a ganhar o prêmio, Emmanuelle Riva (86 completados no dia da entrega do Oscar).

A categoria é uma das mais acirradas da lista, sem nenhuma grande favorita. Jessica Chastain, talvez a considerada um pouco mais favorita e que concorre ao seu primeiro Oscar como atriz principal, deve perder força com a falta de apoio ao seu filme nas demais categorias. Jennifer Lawrence, por outro lado, faz o caminho inverso, ganhando peso com o bom recebimento de seu filme. Por fim, Naomi Watts também tem boas chances pelo seu bom trabalho em O Impossível.

Esnobadas:

Marion Cottilard, por Ferrugem e Osso / Helen Mirren, por Hitchcock / Keira Knightley, por Anna Karenina

Meryl Streep, por Um divã para dois – Só porque é a Meryl Streep. Seu trabalho aqui não é nada demais.

Christoph Waltz tenta seu segundo Oscar como Dr. King Schultz em Django livre

Christoph Waltz tenta seu segundo Oscar como Dr. King Schultz em Django livre

Melhor Ator Coadjuvante

Alan Arkin, por Argo

Christoph Waltz, por Django livre

Philip Seymour Hoffman, por The Master

Robert De Niro, por O Lado bom da vida

Tommy Lee Jones, por Lincoln

A surpresa aqui é a indicação de Christoph Waltz. Era esperada uma indicação na categoria para Leonardo Di Caprio também por Django livre. Alan Arkin deve ser um sujeito bem legal, porque parece que sempre é indicado simplesmente por sua reputação. Seu trabalho em Argo é muito mediano e sua indicação é uma daquelas idiossincrasias bem chatas do Oscar (durante o filme eu ficava esperando o momento em que ele iria virar para a câmera e dar uma piscadinha, tão mecânica é a sua interpretação).

Mas a boa notícia aqui é a volta de Robert de Niro ao Oscar. Desde 1992, quando foi indicado para o prêmio de atuação por Cabo do medo, o ator não concorre a nada. E seu último Oscar, por Touro indomável, já vai completar 22 anos em 2013. Será que a Academia vai resistir?

Esnobadas:

Leonardo di Caprio, por Django Livre / Matthew McConaughey, por Magic Mike / Eddie Redmayne, por Os Miseráveis / Javier Bardem, por 007 – Operação Skyfall.

Ezra Miller, por As Vantagens de ser invisível – Havia um pouco de burburinho para a atuação do rapaz nesse filme independente e seria muito bem vinda já que o ator, depois de um ótimo trabalho em Precisamos falar sobre Kevin, praticamente rouba a cena nesse pequeno grande filme.

Andy Serkis, por O Hobbit: Uma Jornada inesperada – Já está na hora de um trabalho envolvendo Motion Capture ser considerado para prêmios. E a única cena em que Gollum aparece em O Hobbit, não apenas é a melhor do filme (e, diria também, a melhor cena de Gollum considerando também os outros filmes) como também é o trabalho mais cheio de nuances envolvendo a tecnologia até hoje.

A, hmm, volta por cima, da sumida Helen Hunt em The Sessions

A, hmm, volta por cima, da sumida Helen Hunt em The Sessions

Melhor Atriz Coadjuvante

Amy Adams, por The Master

Anne Hathaway, por Os Miseráveis

Helen Hunt, por The Sessions

Jacki Weaver, por O Lado bom da vida

Sally Field, por Lincoln

Falando em grandes voltas, essa categoria traz pelo menos duas. Helen Hunt, que depois do Oscar de 1998 por Melhor é impossível deu uma sumida, volta à cerimônia com seu papel como uma terapeuta sexual que ajuda um escritor com problemas de saúde a perder a virgindade.

Outra volta é a de Sally Field, ganhadora de dois Oscars (em 80 por Norma Rae e em 85 por Um lugar no coração). A atriz interpreta a esposa do personagem título de Lincoln.

Jacki Weaver surge aqui como uma supresa e só demonstra a força que seu filme pode ter na noite da premiação. Poucas chances de ganhar, no entanto. Por fim, duas queridinhas de Hollywood. Essa é, pasmem, a quarta indicação de Amy Adams em um período de 8 anos e a segunda de Anne Hathaway. O trabalho da última, como a trágica Fantine de Os Miseráveis, apesar de pequeno, é forte o bastante para assegurar o prêmio para a atriz. E não machuca em nada o fato de que seu grande número musical no filme, com a música I dreamed a dream é um dos números mais conhecidos do musical original e também o mais emocionante.

Esnobadas:

Maggie Smith, por O Exótico Hotel Marigold / Nicole Kidman, por The Paperboy

Moonrise Kingdom, de Wes Anderson conseguiu apenas uma indicação

Moonrise Kingdom, de Wes Anderson conseguiu apenas uma indicação

Melhor Roteiro Original

Amor (Michael Haneke)

Django livre (Quentin Tarantino)

Flight (John Gatins)

A Hora mais escura (Mark Boal)

Moonrise Kingdom (Wes Anderson e Roman Coppola).

Ah, como seria divertido ver Michael Haneke subindo quatro vezes ao palco para receber seus prêmios. Sonhar não custa nada. Mas talvez seja nessa categoria (e, obviamente, em Filme estrangeiro) que Amor tenha alguma chance maior. Os favoritos aqui talvez sejam A Hora mais escura e Django livre, no que seriam prêmios de consolação para esses filmes.

Esnobadas:

The Master, roteiro de Paul Thomas Anderson / Holy Motors, roteiro de Leos Carax / Ruby Sparks, roteiro de Zoe Kazan / Looper, roteiro de Rian Johnson.

Argo, de Ben Affleck

Argo, de Ben Affleck

Melhor Roteiro Adaptado

Argo (Chris Terrio)

As Aventuras de Pi (David Magee)

Indomável sonhadora (Lucy Alibar e Benh Zeitlin)

O Lado bom da vida (David O. Russel)

Lincoln (Tony Kushner)

Até ontem daria para dizer que Argo e Lincoln eram os favoritos na categoria. Enquanto Lincoln continua sendo um dos favoritos, é difícil crer que o roteiro de Argo, que, para fins dramáticos, precisa simplesmente reescrever a história (aparentemente a fuga dos personagens não foi nem de perto tão tensa como no filme), permaneça com muitas chances. Mas a eterna lei de compensação da Academia pode entrar em cena aqui, então, não dá para saber.

Esnobadas:

O Homem da máfia, roteiro de Andrew Dominik.

As Vantagens de ser invisível, roteiro de Stephen Chbosky – O filme foi indicado para a categoria no prêmio do Sindicato dos Roteiristas mas ficou de fora aqui. Chbosky adapta seu próprio livro e o resultado é um filme que olha para os anos do ensino médio de uma forma encantadora. Talvez não tenha tido apelo com os velhinhos da Academia.

007 - Operação Skyfall é a 10a indicação de Roger Deakins ao Oscar.

007 – Operação Skyfall é a 10ª indicação de Roger Deakins ao Oscar.

Melhor Fotografia

007 – Operação Skyfall (Roger Deakins)

Anna Karenina (Seamus McGarvey)

As Aventuras de Pi (Claudio Miranda)

Django livre (Robert Richardson)

Lincoln (Janusz Kaminski)

Janusz Kaminski e Robert Richardson também foram indicados nessa categoria em 2012. O primeiro por Cavalo de guerra e o segundo levou o prêmio para casa por A Invenção de Hugo Cabret. Esse ano, Kaminski volta com mais um filme de época e Richardson com o faroeste estilizado de Quentin Tarantino.

Nos últimos quatro anos, apenas em 2010 não tivemos um filme 3D concorrendo aqui. Esse ano, As Aventuras de Pi preenche a cota da fotografia em três dimensões. Claudio Miranda leva a tecnologia adiante? Não exatamente. Mas também não faz feio e o filme pode ganhar momento suficiente para sair com vários prêmios.

Já Roger Deakins dá ao novo filme de 007 um look caprichado, incomum às aventuras do personagem. A cena da luta no prédio e todo o final, onde Deakins consegue um resultado bem interessante com pouca luz (e usando câmeras digitais) dão ao seu trabalho um toque de qualidade que talvez o faça ganhar seu primeiro Oscar (depois de 9 tentativas)

Esnobadas:

The Master, fotografia de Mihai Malaimare Jr. – A fotografia feita com película de 70 mm não impressionou a Academia.

O Hobbit: Uma Jornada inesperada, fotografia de Andrew Lesnie – Muito menos o experimento em 48 fps de Peter Jackson.

Anna Karenina, de Joe Wright, recebeu 4 indicações, todas em categorias técnicas.

Anna Karenina, de Joe Wright, recebeu 4 indicações, todas em categorias técnicas.

Melhor Figurino

Anna Karenina (Jacqueline Durran)

Branca de Neve e o caçador (Colleen Atwood)

Espelho, espelho meu (Eiko Ishioka)

Lincoln (Joanna Johnston)

Os Miseráveis (Paco Delgado)

Como quase sempre acontece, a categoria é dominada por filmes de época ou fantásticos. Anna Karenina, Os Miseráveis e Lincoln parecem estar à frente dos demais.

Fato estranho: a figurinista Eiko Ishioka faleceu em janeiro de 2012.

Esnobadas:

A Viagem, figurino de Kym Barrett e Pierre-Yves Gayraud / Django livre, figurino de Sharen Davis.

Com 11 indicações, As Aventuras de Pi pode ser um dos grandes premiados no Oscar 2013

Com 11 indicações, As Aventuras de Pi pode ser um dos grandes premiados no Oscar 2013

Melhor Mixagem de Som

007 – Operação Skyfall

Argo

As Aventuras de Pi

Lincoln

Os Miseráveis

Melhor Edição de Som

007 – Operação Skyfall

Argo

As Aventuras de Pi

Django livre

A Hora mais escura

Geralmente casa dos blockbusters, as categorias de som esse ano vêm com um sabor um pouco diferente. Argo conseguiu indicações nas duas categorias e, sinceramente, não consigo explicar porque. 007 e Pi também conseguiram e fazem mais sentido aqui.

Outro gênero de filme que se dá muito bem aqui é o musical. O trabalho de mixagem de som de Os Miseráveis tem o diferencial de que as vozes usadas nas músicas foram captadas na gravação e não pré-gravadas para serem dubladas no set. A escolha do diretor Tom Hooper privilegiou a emoção do momento em detrimento de uma qualidade mais afinada, escolha essa que vem gerando uma certa controvérsia, mas que ganhou um afago na categoria de mixagem.

Esnobadas:

O Hobbit: Uma jornada inesperada / Os Vingadores / Batman: O Cavaleiro das trevas ressurge / Prometheus / O Impossível.

A Hora mais escura pode ter perdido força para o prêmio principal, mas ainda é favorito em algumas categorias

A Hora mais escura pode ter perdido força para o prêmio principal, mas ainda é favorito em algumas categorias

Melhor Montagem

Argo (William Goldenberg)

As Aventuras de Pi (Tim Squyres)

A Hora mais escura (William Goldenberg e Dylan Tichenor)

O Lado bom da vida (Jay Cassidy e Crispin Struthers)

Lincoln (Michael Kahn)

William Goldenberg foi indicado por dois filmes diferentes e são os que parecem ter mais chances aqui. Por mais que o roteiro de Argo crie situações que não existiram de fato, o filme é bem habilidoso em criar tensão muito por conta do trabalho do montador. Outro fator positivo é o bom equlíbrio entre uma trama de suspense (as sequências no Irã) e uma quase de comédia (as sequências em Hollywood).

Esnobadas:

Django livre, montado por Fred Raskin.

A Viagem, montado por Alexander Berner e Claus Wehlisch – As idas e vindas entre histórias diferentes levou alguns críticos a preverem uma indicação para a montagem do filme.

O Hobbit: Uma jornada inesperada recebeu apenas 3 indicações

O Hobbit: Uma jornada inesperada recebeu apenas 3 indicações

Melhores Efeitos Visuais

Os Vingadores

O Hobbit: Uma Jornada inesperada

As Aventuras de Pi

Prometheus

Branca de Neve e o caçador

O conjunto habitual de blockbusters. Os Vingadores pode ser o primeiro filme da Marvel a ganhar um Oscar. As Aventuras de Pi tem um belo trabalho de misturas de técnicas, principalmente em torno de Richard Parker, o tigre da história. Já a única coisa boa em Prometheus são seus efeitos visuais. Nada ganha, porém, do trabalho em O Hobbit. E, como já disse, somente os efeitos utilizados na cena em que Gollum e Bilbo jogam suas adivinhas no escuro seriam o suficiente para garantir o prêmio aqui.

Esnobadas:

A Viagem, de Tom Tykwer e os irmão Wachowski / Batman: O Cavaleiro das trevas ressurge, de Christopher Nolan

Anthony Hopkins encarna Alfred Hitchcock.

Anthony Hopkins encarna Alfred Hitchcock.

Melhor Maquiagem e Penteado

Hitchcock

O Hobbit: Uma jornada inesperada

Os Miseráveis

Esse ano, a categoria passou a incluir Hairstyling no nome. Hitchcock é daqueles trabalhos de uma nota só que, às vezes, costumam ganhar (vide ano passado com A Dama de ferro). O Hobbit, no entanto, é o favorito por ser um trabalho mais complexo.

Esnobadas:

Looper / Lincoln – Trabalhos que também envolvem transformar um ator em outra figura conhecida.

Holy Motors – Prometo que paro de citar o filme. Mas se esse não é o filme que mais homenageia o próprio trabalho dos maquiadores, eu não sei que filme o faz.

Os Miseráveis, de Tom Hooper.

Os Miseráveis, de Tom Hooper.

Melhor Direção de Arte

Anna Karenina

As Aventuras de Pi

O Hobbit: Uma Jornada inesperada

Lincoln

Os Miseráveis

Adele

A cantora britânica Adele interpreta o tema de 007-Operação Skyfall indicado ao Oscar.

Melhor Canção Original

007 – Operação Skyfall (“Skyfall“)

As Aventuras de Pi (“Pi`s Lullaby“)

Chasing Ice (“Before my time“)

Os Miseráveis (“Suddenly“)

Ted (“Everybody needs a best friend“).

Considerando a lista de cantores aqui (Adele, Scarlett Johanson, Norah Jones e Hugh Jackman), o Oscar está tentando claramente apagar a má lembrança do ano passado, quando apenas duas canções foram indicadas.

Melhor Trilha Sonora

007 – Operação Skyfall (Thomas Newman)

Anna Karenina (Dario Marianelli)

Argo (Alexandre Desplat)

As Aventuras de Pi (Mychael Danna)

Lincoln (John Williams)

No, de Pablo Larrain é o filme chileno indicado ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro

No, de Pablo Larrain é o filme chileno indicado ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro

Melhor Filme Estrangeiro

Amor, de Michael Haneke (Áustria)

O Amante da Rainha, de Nikolaj Arcel (Dinamarca)

A Feiticeira da guerra, de Kim Nguyen (Canadá)

Kon-Tiki, de Joachim Rønning e Espen Sandberg (Noruega)

No, de Pablo Larrain (Chile)

Com mais quatro indicações em outras categorias, Amor surge como franco favorito aqui. Da lista de nove semi-finalistas, o único que talvez poderia atrapalhar os planos do filme austríaco seria Os Intocáveis que, ainda bem, não foi indicado a nada. O Amante da Rainha e No, são os que podem ter alguma esperança.

Detona Ralph

Detona Ralph

Melhor Filme de Animação

Detona Ralph, de Rich Moore

Frankenweenie, de Tim Burton

ParaNorman, de Sam Fell e Chris Butler

Piratas Pirados!, de Peter Lord

Valente, de Mark Andrews e Brenda Chapman

Duelo de empresas irmãs. Disney e Pixar são os favoritos na categoria com Detona Ralph e Valente, respectivamente. Frankenweenie, de Tim Burton corre por fora, mas pode ser simplesmente “estranho demais” para os votantes.

5 Broken Cameras, de Emad Burnat e Guy Davidi

5 Broken Cameras, de Emad Burnat e Guy Davidi

Melhor Documentário

5 Broken cameras, de Emad Burnat e Guy Davidi

The Gatekeepers, de Dror Moreh

How to survive a plague, de David France

The Invisible war, de Kirby Dick

Searching for Sugar Man, de Malik Bendjelloul

Melhor Curta Documentário

Inocente, de Sean Fine e Andrea Nix

Kings Point, de Sari Gilman e Jedd Wider

Mondays at Racine, de Cynthia Wadr e Robin Honan

Open Heart, de Kief Davidson e Cori Shepherd Stern

Redemption, de Jon Alpert e Matthew O`Neill

Head over heels, de Timothy Reckart e Fodhla Cronin O'Reilly

Head over heels, de Timothy Reckart e Fodhla Cronin O’Reilly, ganhou o prêmio do Júri e do Público no Anima Mundi 2012.

Melhor Curta de Animação

Adam and Dog, de Minkyu Lee

Fresh Guacamole, de PES

Head over heels, de Timothy Reckart e Fodhla Cronin O’Reilly

Paperman, de John Kahrs

The Simpsons: The Longest daycare, de David Silverman

Melhor Curta-Metragem de Ficção

Asad, de Bryan Buckley e Mino Jarjoura

Buzkashi Boys, de Sam French e Ariel Nasr

Curfew, de Shawn Christensen

Death of a shadow, de Tom Van Avermaet e Ellen De Waele

Henry, de Yan England.

-xx-

Veja também:

Em 2012... | Os Grandes lançamentos, parte 1

Em 2012… | Os Grandes lançamentos, parte 1

Pílulas | Trailers, O Palhaço fora do Oscar e Entrevistas

Pílulas | Trailers, O Palhaço fora do Oscar e Entrevistas

Os Vingadores | Maior que a simples soma das partes

Os Vingadores | Maior que a simples soma das partes

Anúncios

Uma resposta to “Os indicados ao Oscar 2013”

  1. Viviane da Costa sexta-feira, janeiro 11, 2013 às 19:18 #

    Muito legal esse formato de comentar as indicações de cada categoria. Adorei! Não vi nada parecido em outros sites.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s